NOTÍCIAS
compartilhar este link
Greening perto de zero

21/05/2018 11:12:28
NOTA: CitrusBR e o Consecitrus

22/09/2017 16:11:36
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
As gigantes fazem suas apostas

09/08/2016 12:29:03
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Vem aí o suco expresso?

19/07/2016 14:17:06
O vale dourado da Sun Pacific

11/07/2016 16:30:25
15/06/2018
Volume enviado aos EUA sobe 86% e bate recorde

Agência Estado - 15/06/2018 - Em receita, crescimento foi de 80% ante a safra passada


O volume exportado de suco de laranja aos Estados Unidos cresceu 86% nos 11 primeiros meses da safra 2017/2018, entre julho do ano passado e maio deste ano, em comparação com igual período de 2016/2017, de 174,75 mil toneladas para 306,76 mil toneladas. Com o resultado, mesmo a um mês do fim da safra a indústria brasileira já bateu o recorde histórico de exportações da bebida ao mercado norte-americano, obtido em 2006/2007, de 259,39 mil toneladas.

Já a receita com as exportações de suco para os Estados Unidos atingiu US$ 544,89 milhões em 11 meses da safra
2017/2018. O valor também é recorde, supera o anterior, de US$ 419,13 milhões, obtido na safra 2014/2015, e
representa alta de 80% ante os US$ 302,65 milhões dos onze primeiros meses da safra 2016/2017.

O levantamento, divulgado hoje pela Associação Nacional dos Exportadores de Sucos cítricos (CitrusBR) a partir dos
dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), considera a soma dos volumes de suco de
laranja concentrado e congelado (FCOJ) e do o suco fresco, ou não concentrado e congelado (NFC). O volume de NFC, seis vezes maior, é transformado no equivalente em FCOJ e somado ao do concentrado no total divulgado.

O suco de laranja enviado aos Estados Unidos é basicamente o congelado, que é reconstituído e comercializado no
mercado local, ou reexportado. A produção norte-americana, em queda por causa da ação do greening na Flórida -
principal praga dos pomares -, que causou o fechamento de fábricas e do furacão Irma, no ano passado. Com
consequência, a demanda pela bebida brasileira aumentou.

Com o desempenho das exportações ao mercado norte-americano o volume total embarcado da bebida entre julho de 2017 e maio deste ano sobre o mesmo período da safra anterior cresceu 29%, de 817,66 mil para 1,052 milhão de toneladas. A receita com as exportações totais de suco saltou 30% entre os mesmos períodos, de US$ 1,48 bilhão para US$ 1,92 bilhão.

Ainda o maior mercado e destino de 57% do suco de laranja brasileiro exportado no período, a União Europeia
consumiu, nos 11 primeiros meses da safra 2017/2018, 598,4 mil toneladas, ante 518,8 mil toneladas de FCOJ equivalente no período anterior. A alta, de 15%, é bem menor do que a variação porcentual dos volumes globais e para o mercado dos Estados Unidos na atual safra. A receita do suco exportado entre os períodos para a o bloco econômico, variou 16%, de US$ 940 milhões para US$ 1,089 bilhão.

Entre os mercados restantes, destaque segue para o Japão, com o crescimento de 33% nos embarques em onze meses de safra, para 52,3 mil toneladas e de 53% na receita, com US$ 101 milhões. A China aumentou em 24% o volume de suco importado do Brasil, com 33,4 mil toneladas e em 35% a receita, a US$ 67,5 milhões, entre os períodos.

Em comunicado, o diretor-executivo da CitrusBR, Ibiapaba Netto, voltou a classificar o desempenho da safra
2017/2018 como uma retomada no cenário verificado em 2015/2016, ou seja, há duas safras. A safra intermediária, a 2016/2017, no Brasil foi uma das menores da história, causou redução na oferta da fruta e do suco e prejudicou a demanda pela bebida. A CitrusBR voltou a comparar o período da atual safra com os onze meses da safra a 2015/2016, antes dos problemas derivados da pouca oferta de laranja, e mostrou que houve aumento de 6,26% no volume total de FCOJ equivalente exportado pelo Brasil. Naquela safra, o volume exportado entre julho de 2015 e maio de 2016 estava em 990,47 mil toneladas.