NOTÍCIAS
compartilhar este link
Greening perto de zero

21/05/2018 11:12:28
NOTA: CitrusBR e o Consecitrus

22/09/2017 16:11:36
O HLB é a bola da vez

17/02/2017 11:31:41
As gigantes fazem suas apostas

09/08/2016 12:29:03
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Vem aí o suco expresso?

19/07/2016 14:17:06
O vale dourado da Sun Pacific

11/07/2016 16:30:25
02/07/2018
Uruguai exporta 30.000 toneladas de citrinos em 2018

Fresh Plaza - 02/07/2018 - Devido a tarifas de importações mais baixas, setor aumentou volume de exportações e receitas


Entre janeiro e início de junho de 2018, o Uruguai exportou 30.000 toneladas de mandarinas, laranjas e limões por 20 milhões de dólares, o equivalente a R$ 78 milhões.

No total 60% dos citrinos foram enviados para os Estados unidos, 20% para a União Europeia e os restantes para a Rússia, Brasil, Canadá, Emirados Árabes Unidos entre outros mercados.

Segundo o diretor de Serviços Agropecuários do Uruguai, Federico Montes, a abertura do mercado norte-americano de frutas cítricas uruguaias com preços mais altos e tarifas de importação mais baixas do que a União Europeia, permitiu ao setor aumentar seu volume de exportações e receitas. 

“A exportação de mandarinas para os Estados Unidos mostrou a importância da abertura desse mercado em 2010”, afirmou.

O mercado dos EUA oferece para o Uruguai maiores garantias, já que tem tarifas de importação zero e preços de venda mais altos, disse ele, acrescentando que o bloco europeu possuía uma tarifa de 16% sobre as variedades cítricas.

Federico contou ainda que o setor cítrico uruguaio produzia cerca de 280 a 300 mil toneladas de citros ao ano e alcançou exportações que somaram entre 80 e 100 milhões de dólares por ano.

Em relação às expectativas de crescimento do setor, Federico relata que o Uruguai deveria explorar alternativas na China. “A China manifestou interesse em adquirir laranjas de valência, produzidas em julho e agosto, de bom gosto e com menos sementes”, disse ele.

Também declarou que queria se aventurar em outros mercados complementares, como Filipinas, Indonésia, Índia, Vietnã e México.