NOTÍCIAS
DO MERCADO
compartilhar este link
O pior inimigo do greening

04/02/2020 14:55:16
Britânicas anunciam fusão

11/06/2015 16:51:29
Pode ser Pepsi na NBA?

24/04/2015 16:52:15
H2Coco lança mix com café

17/04/2015 12:55:19
Starbucks aposta em delivery

24/03/2015 11:49:58
Imposto tira gás da FEMSA

16/12/2014 15:33:52
Vita Coco quer reinar na China

20/10/2014 18:19:05
MacTangerina no cardápio

02/10/2014 14:29:13
Exportações barradas

02/07/2014 11:44:03
Rótulos da discórdia

26/06/2014 11:19:54
De olho na dieta britânica

25/06/2014 11:19:54
Nova Coca-cola chega à Europa

11/06/2014 10:54:40
Ampliando mercado

23/05/2014 10:44:00
A batalha do açúcar

07/05/2014 18:07:00
Aguá pra inglês beber

06/05/2014 12:15:00
Salvação na embalagem

16/04/2014 12:11:00
O novo energético da Coca

04/04/2014 11:21:00
TV desligada

26/03/2014 15:21:00
Laranja fora da TV

18/03/2014 12:18:00
O futuro dos energéticos

13/03/2014 17:11:00
Pepsi em cápsulas

11/03/2014 13:35:00
Pepsi aposta no México

27/01/2014 13:47:00
De olho na caxinha

24/01/2014 16:43:00
Vendas não reagem nos EUA

19/12/2013 17:12:00
Dubai sem sede

18/10/2013 12:00:00
Mapa do varejo

23/09/2013 14:48:00
Suco tenta reagir nos EUA

17/09/2013 14:02:00
Suco aposta na TV

12/09/2013 12:29:00
Laranjas da África

09/09/2013 15:01:00
Monster quer entrar na Índia

15/08/2013 16:34:00
Frutas perdem espaço

25/07/2013 11:57:00
Tropicana de cara nova

14/06/2013 10:29:00
Nova York contra os sucos

04/06/2013 12:23:00
Purity mostra suas armas

06/05/2013 12:20:00
Portas abertas para a Turquia

26/04/2013 10:39:00
Investimentos à francesa

24/04/2013 11:48:00
Xenergy vai a luta

23/04/2013 12:31:00
Maçã no vermelho

23/04/2013 11:41:00
Surge mais uma gigante

22/04/2013 14:54:00
O que a Arábia quer beber

15/04/2013 16:44:00
Lucros monstruosos

12/04/2013 15:25:00
De roupa nova

25/03/2013 13:00:00
Água no refrigerante

18/03/2013 12:31:00
As bolhas da Honest Tea

13/03/2013 11:49:00
Monster made in Japan

31/01/2013 12:39:00
Sinal verde do CADE

04/01/2013 10:42:00
Para onde caminham os pomares da Flórida

Novo relatório do Departamento de Citrus da Florida aponta que produção de laranja do estado pode cair 24% nos próximos 10 anos


A citricultura da Flórida passa por um momento delicado. Com clima adverso e avanço de doenças, os produtores têm visto boa parte de sua produção apodrecer no chão. Um cenário que pode não melhorar muito nos próximos anos. Um novo relatório divulgado pelo Departamento de Citrus da Flórida aponta que nos próximos 10 anos, o principal estado produtor dos Estados Unidos deve colher apenas 106 milhões de caixas, uma redução de 24% em comparação com a estimativa de 139 milhões de caixas para a safra 2012/2013. A produção de toranja também cairia 20%, para 13,6 milhões de caixas. De acordo com o economista-chefe do Departamento de Citrus da Flórida, Matt Salois, responsável pelo estudo, mesmo num cenário mais otimista, a redução de produção nos próximos 10 anos chegaria 136,5 milhões de caixas. No cenário mais alarmista, a produção despencaria para 82 milhões de caixas. O professor emérito de economia da Universidade da Flórida, Tom Spreed vê com cautela os números levantados. "Os dados estão bem embasados, mas temos que levar em conta que essa atividade é muito dinâmica e as condições mudam a todo o momento". Spreed ressalta que o resultado mais problemático, caso esses cenários se confirmem, seria a perda de uma ou mais empresas processadoras de suco do estado. "Estes são os números mais baixos que vimos", disse Spreen. "Eu não acredito que chegue um momento em que não tenhamos nenhuma indústria de citrus da Flórida. Mas pode acontecer dela não ter a mesma importância econômica de hoje".

As empresas processadoras de suco compram 95% da colheita anual de laranja da Flórida e mais de 60% da produção anual de toranja. Segundo Spreed, nesse cenário de redução de produção, não haveria fruta suficiente para manter todas as plantas operando economicamente no estado. "Para os produtores de frutas cítricas isso significaria menos concorrência para comprar os seus frutos e declínio dos preços agrícolas no longo prazo" analisa o professor.

A produção de laranjas na Flórida já vive um declínio nos últimos anos. Basta notar que, antes dos furacões de 2004 e 2005, o estado colhia em média 226 milhões de toneladas. A indústria perdeu área plantada para os furacões e para o desenvolvimento econômico até 2008, mas o maior fator por trás das perdas dos pomares foi a chegada do greening em 2005. Atualmente a estimativa é de que 80% a 90% das plantações de citrus do estado tenham registro da doença.

Para prever os cenários, o relatório leva em conta as contínuas perdas no número de árvores cítricas e rendimento de frutos por árvore por causa do greening e do número de novas plantações para substituir árvores mortas. Novas plantações são um problema porque os produtores têm encontrado a doença também em árvore jovens, que significa que essa planta não irá atingir sua maturidade, o que normalmente leva cinco anos e, assim, poder produzir comercialmente.

Segundo o diretor do Departamento de Citrus da Flórida, Salois, devido a esse problema, os produtores da Flórida, em média, têm replantado apenas metade do número de árvores perdidas para greening. No entanto, em seu cenário mais provável, coloca a taxa de substituição de árvores mortas em 75%. " Esse índice não é irrealistas porque alguns processadores do estado têm oferecido garantia de preço acima do mercado como incentivo para que os citricultores replantem".

Diante desse aspecto, professor Spreen diz que tinha projeções de colheita mais otimistas no futuro, uma vez que acreditava que os produtores iriam responder a esse incentivo de preços. No entanto, ele reconhece que esse incentivo não deve ser suficiente caso o greening continue avançando e fazendo com que as laranjas caiam do pé antes da colheita. A queda prematura de frutas tem sido a pior em décadas. "Mesmo que a pesquisa cientifica encontre uma resposta imediata para o greening, vai demorar pelo menos um década para reverter as quedas atuais".

Com informações do jornal The Ledger