NOTÍCIAS
DO MERCADO
compartilhar este link
O pior inimigo do greening

04/02/2020 14:55:16
Britânicas anunciam fusão

11/06/2015 16:51:29
Pode ser Pepsi na NBA?

24/04/2015 16:52:15
H2Coco lança mix com café

17/04/2015 12:55:19
Starbucks aposta em delivery

24/03/2015 11:49:58
Imposto tira gás da FEMSA

16/12/2014 15:33:52
Vita Coco quer reinar na China

20/10/2014 18:19:05
MacTangerina no cardápio

02/10/2014 14:29:13
Exportações barradas

02/07/2014 11:44:03
Rótulos da discórdia

26/06/2014 11:19:54
De olho na dieta britânica

25/06/2014 11:19:54
Nova Coca-cola chega à Europa

11/06/2014 10:54:40
Ampliando mercado

23/05/2014 10:44:00
A batalha do açúcar

07/05/2014 18:07:00
Aguá pra inglês beber

06/05/2014 12:15:00
Salvação na embalagem

16/04/2014 12:11:00
O novo energético da Coca

04/04/2014 11:21:00
TV desligada

26/03/2014 15:21:00
Laranja fora da TV

18/03/2014 12:18:00
O futuro dos energéticos

13/03/2014 17:11:00
Pepsi em cápsulas

11/03/2014 13:35:00
Pepsi aposta no México

27/01/2014 13:47:00
De olho na caxinha

24/01/2014 16:43:00
Vendas não reagem nos EUA

19/12/2013 17:12:00
Dubai sem sede

18/10/2013 12:00:00
Mapa do varejo

23/09/2013 14:48:00
Suco tenta reagir nos EUA

17/09/2013 14:02:00
Suco aposta na TV

12/09/2013 12:29:00
Laranjas da África

09/09/2013 15:01:00
Monster quer entrar na Índia

15/08/2013 16:34:00
Frutas perdem espaço

25/07/2013 11:57:00
Tropicana de cara nova

14/06/2013 10:29:00
Nova York contra os sucos

04/06/2013 12:23:00
Purity mostra suas armas

06/05/2013 12:20:00
Portas abertas para a Turquia

26/04/2013 10:39:00
Investimentos à francesa

24/04/2013 11:48:00
Xenergy vai a luta

23/04/2013 12:31:00
Maçã no vermelho

23/04/2013 11:41:00
Surge mais uma gigante

22/04/2013 14:54:00
O que a Arábia quer beber

15/04/2013 16:44:00
Lucros monstruosos

12/04/2013 15:25:00
De roupa nova

25/03/2013 13:00:00
Água no refrigerante

18/03/2013 12:31:00
As bolhas da Honest Tea

13/03/2013 11:49:00
Monster made in Japan

31/01/2013 12:39:00
Sinal verde do CADE

04/01/2013 10:42:00
Cai a venda de Coca-Cola no 3º tri

Valor Econômico - 16/10/13 - Kent, CEO da Coca-Cola, fala sobre a economia mais fraca: "Não somos imunes".

A Coca-Cola vendeu menos no Brasil entre os meses de julho e setembro, em comparação com o mesmo período de 2012. O volume vendido pela companhia no país caiu 1% no terceiro trimestre, e a queda foi puxada por um ambiente macroeconômico em deterioração no Brasil, informou ontem a The Coca-Cola Company em comunicado sobre o balanço.

Na América Latina, os volumes ficaram estáveis, e no mundo, cresceram 2%. E o faturamento global da Coca-Cola também caiu no período: recuo de 2,5%, para US$ 12,03 bilhões. "Não somos imunes aos impactos de eventos macroeconômicos, mas nossa estratégia de longo prazo permanece intacta", disse no comunicado o presidente mundial da Coca-Cola, Muhtar Kent. "Em parceria com nossas engarrafadoras, estamos investindo em nossas marcas e nossa capacidade de fortalecer o sistema de entregas."

Além da economia mais fraca, a redução dos volumes vendidos no Brasil também se deu porque a companhia deixou de consolidar a engarrafadora brasileira Solar em seu balanço. Por outro lado, foi exatamente essa mudança nas operações de engarrafamento que permitiu à Coca-Cola elevar o lucro líquido no terceiro trimestre em comparação com 2012. A última linha do balanço cresceu 5,9% no período, para US$ 2,45 bilhões.

O grupo americano só conseguiu lucrar mais, em comparação com os mesmos meses do ano passado, porque registrou ganho de US$ 615 milhões com a venda de participações em engarrafadoras brasileiras.

As engarrafadoras franqueadas Norsa, Renosa e Guararapes fundiram suas operações e negociaram a permanência da Coca-Cola no capital da nova empresa, a Solar, com participação de 44%. Como o negócio foi efetivado entre julho e setembro, a fabricante americana contabilizou um ganho não recorrente de US$ 658 milhões - a maior parte causada pela transação envolvendo a nova empresa.

O controle da Solar é dividido entre o grupo Jereissati e a família Mello. A fabricante americana de bebidas deixou de ser dona de parte dos negócios - 100% da Guararapes e 60% da Norsa pertenciam à companhia - e a partir de agora esse resultado aparece no balanço sob o método contábil de equivalência patrimonial.

Com esse reforço, a Coca-Cola fechou o trimestre com lucro de US$ 2,45 bilhões, alta de 5,9% em igual comparação. Sem considerar o ganho com as mudanças societárias, a última linha do balanço recuaria 21%, para US$ 1,83 bilhão. Procurada, a Coca-Cola informou que a Solar é uma empresa de capital fechado e os detalhes financeiros da transação são considerados confidenciais. A empresa informou também que deixou de ser dona da operação de engarrafamento nas Filipinas. A venda de participação nos dois países reduziu em quase 4% o faturamento total da companhia.

As mudanças no Brasil e nas Filipinas vão cortar a receita da multinacional em 3% neste ano e "terão impacto estrutural de 1% sobre o lucro operacional de 2013, queda compensada por uma melhoria relacionada à equivalência patrimonial", diz o comunicado. "Para o terceiro trimestre, o resultado de equivalência patrimonial veio menor do que no mesmo trimestre do ano anterior, devido às condições macroeconômicas desafiadoras em curso em todo o mundo."

As ações encerraram o pregão de ontem da Nyse, bolsa de Nova York, em queda de 0,66%, negociados a US$ 37,66. Durante a manhã, no entanto, os ativos chegaram a registrar avanço de 2,6%, já que o lucro por ação da empresa superou as estimativas de Wall Street.

Fonte:Valor Econômico