NOTÍCIAS
DO MERCADO
compartilhar este link
O pior inimigo do greening

04/02/2020 14:55:16
Britânicas anunciam fusão

11/06/2015 16:51:29
Pode ser Pepsi na NBA?

24/04/2015 16:52:15
H2Coco lança mix com café

17/04/2015 12:55:19
Starbucks aposta em delivery

24/03/2015 11:49:58
Imposto tira gás da FEMSA

16/12/2014 15:33:52
Vita Coco quer reinar na China

20/10/2014 18:19:05
MacTangerina no cardápio

02/10/2014 14:29:13
Exportações barradas

02/07/2014 11:44:03
Rótulos da discórdia

26/06/2014 11:19:54
De olho na dieta britânica

25/06/2014 11:19:54
Nova Coca-cola chega à Europa

11/06/2014 10:54:40
Ampliando mercado

23/05/2014 10:44:00
A batalha do açúcar

07/05/2014 18:07:00
Aguá pra inglês beber

06/05/2014 12:15:00
Salvação na embalagem

16/04/2014 12:11:00
O novo energético da Coca

04/04/2014 11:21:00
TV desligada

26/03/2014 15:21:00
Laranja fora da TV

18/03/2014 12:18:00
O futuro dos energéticos

13/03/2014 17:11:00
Pepsi em cápsulas

11/03/2014 13:35:00
Pepsi aposta no México

27/01/2014 13:47:00
De olho na caxinha

24/01/2014 16:43:00
Vendas não reagem nos EUA

19/12/2013 17:12:00
Dubai sem sede

18/10/2013 12:00:00
Mapa do varejo

23/09/2013 14:48:00
Suco tenta reagir nos EUA

17/09/2013 14:02:00
Suco aposta na TV

12/09/2013 12:29:00
Laranjas da África

09/09/2013 15:01:00
Monster quer entrar na Índia

15/08/2013 16:34:00
Frutas perdem espaço

25/07/2013 11:57:00
Tropicana de cara nova

14/06/2013 10:29:00
Nova York contra os sucos

04/06/2013 12:23:00
Purity mostra suas armas

06/05/2013 12:20:00
Portas abertas para a Turquia

26/04/2013 10:39:00
Investimentos à francesa

24/04/2013 11:48:00
Xenergy vai a luta

23/04/2013 12:31:00
Maçã no vermelho

23/04/2013 11:41:00
Surge mais uma gigante

22/04/2013 14:54:00
O que a Arábia quer beber

15/04/2013 16:44:00
Lucros monstruosos

12/04/2013 15:25:00
De roupa nova

25/03/2013 13:00:00
Água no refrigerante

18/03/2013 12:31:00
As bolhas da Honest Tea

13/03/2013 11:49:00
Monster made in Japan

31/01/2013 12:39:00
Sinal verde do CADE

04/01/2013 10:42:00
Justiça quer mudar sistema de contratação de colhedores de laranja

Globo Rural - 31/03/14 - Produtores rurais não vão poder mais negociar a mão de obra. Indústrias passam a ser responsáveis pela contratação dos empregados.

Uma decisão da Justiça pode mudar o sistema de contratação de trabalhadores para a colheita da laranja. O Ministério Público quer que a responsabilidade pelos empregados seja da indústria.

 

Clique AQUI para assistir ao video da reportagem

Uma ação do Ministério Público do Trabalho do município de Araraquara, em São Paulo, pede que as três maiores indústrias de suco paguem uma indenização de R$ 450 milhões, por considerar que durante mais de uma década, as empresas mantiveram trabalho precário no campo. A ação pede também mudanças na contratação dos trabalhadores.
Os produtores rurais não vão mais poder negociar a mão de obra. As indústrias passam a ser responsáveis pela contratação dos empregados em todos os pomares dos fornecedores.


O presidente da Câmara Setorial do Ministério da Agricultura, Marco Antônio dos Santos, teme que a decisão possa prejudicar cerca de 8 mil pequenos produtores no estado de São Paulo.


Um recurso das três maiores empresas do setor vai ser julgado no Tribunal Regional do Trabalho de Campinas para tentar reverter a decisão em primeira instância. O diretor executivo da CitrusBR, associação que representa as empresas, Ibiapaba Netto, diz que as indústrias não podem ser responsáveis pelos pomares dos fornecedores. “As indústrias já estão em acordo com a legislação brasileira, visto que empregam mais de 40 mil funcionários, todos no regime CLT, cumprindo absolutamente todas as normas legais. Agora, o funcionário do fornecedor de fruta tem que ser de responsabilidade do fornecedor de fruta”, diz.


Pelo menos 30 mil pessoas são contratadas a cada safra. O dado é da Federação dos Empregados Rurais Assalariados do estado de São Paulo, que denunciou a situação precária nos pomares.


Para o presidente da federação, Hélio Neves, se a Justiça mantiver a decisão, os trabalhadores rurais terão mais segurança. “A indústria, por deter total controle do mercado internacional de suco, ela deve manter todo o controle da cadeia de produção, desde o plantio até o esmagamento da fruta. Portanto, quem fica ao final com o resultado do trabalho é quem efetivamente deve responder pelos encargos sociais e trabalhistas de quem, para produzir essa riqueza, vende sua força de trabalho”.

A previsão é que o recurso das indústrias comece a ser julgado nesta segunda-feira (31), pelo Tribunal Regional do Trabalho de Campinas, São Paulo.