NOTÍCIAS
DO MERCADO
compartilhar este link
O pior inimigo do greening

04/02/2020 14:55:16
Britânicas anunciam fusão

11/06/2015 16:51:29
Pode ser Pepsi na NBA?

24/04/2015 16:52:15
H2Coco lança mix com café

17/04/2015 12:55:19
Starbucks aposta em delivery

24/03/2015 11:49:58
Imposto tira gás da FEMSA

16/12/2014 15:33:52
Vita Coco quer reinar na China

20/10/2014 18:19:05
MacTangerina no cardápio

02/10/2014 14:29:13
Exportações barradas

02/07/2014 11:44:03
Rótulos da discórdia

26/06/2014 11:19:54
De olho na dieta britânica

25/06/2014 11:19:54
Nova Coca-cola chega à Europa

11/06/2014 10:54:40
Ampliando mercado

23/05/2014 10:44:00
A batalha do açúcar

07/05/2014 18:07:00
Aguá pra inglês beber

06/05/2014 12:15:00
Salvação na embalagem

16/04/2014 12:11:00
O novo energético da Coca

04/04/2014 11:21:00
TV desligada

26/03/2014 15:21:00
Laranja fora da TV

18/03/2014 12:18:00
O futuro dos energéticos

13/03/2014 17:11:00
Pepsi em cápsulas

11/03/2014 13:35:00
Pepsi aposta no México

27/01/2014 13:47:00
De olho na caxinha

24/01/2014 16:43:00
Vendas não reagem nos EUA

19/12/2013 17:12:00
Dubai sem sede

18/10/2013 12:00:00
Mapa do varejo

23/09/2013 14:48:00
Suco tenta reagir nos EUA

17/09/2013 14:02:00
Suco aposta na TV

12/09/2013 12:29:00
Laranjas da África

09/09/2013 15:01:00
Monster quer entrar na Índia

15/08/2013 16:34:00
Frutas perdem espaço

25/07/2013 11:57:00
Tropicana de cara nova

14/06/2013 10:29:00
Nova York contra os sucos

04/06/2013 12:23:00
Purity mostra suas armas

06/05/2013 12:20:00
Portas abertas para a Turquia

26/04/2013 10:39:00
Investimentos à francesa

24/04/2013 11:48:00
Xenergy vai a luta

23/04/2013 12:31:00
Maçã no vermelho

23/04/2013 11:41:00
Surge mais uma gigante

22/04/2013 14:54:00
O que a Arábia quer beber

15/04/2013 16:44:00
Lucros monstruosos

12/04/2013 15:25:00
De roupa nova

25/03/2013 13:00:00
Água no refrigerante

18/03/2013 12:31:00
As bolhas da Honest Tea

13/03/2013 11:49:00
Monster made in Japan

31/01/2013 12:39:00
Sinal verde do CADE

04/01/2013 10:42:00
Por que o suco de laranja custa tão caro no Brasil

Veja - 11/08/2014 - Custo de produção e carga tributária elevados fazem com que o suco natural em caixinha fique bem longe da casa da maior parte dos brasileiros

A dinâmica de exportações de muitos países produtores de alimentos mostra um comportamento curioso: não raro exportam-se os bons produtos e impõe-se ao mercado interno uma oferta de qualidade inferior. O custo Brasil, que consiste na fórmula nociva de alta carga tributária, infraestrutura ruim e burocracia, é uma das explicações para tal discrepância, pois onera e torna muitos ítens inacessíveis. Um ambiente de baixa concorrência, com poucos players de mercado, também funciona como desestímulo à comercialização de bons artigos. No Brasil, são incontáveis os exemplos de produtos e serviços de preço alto e baixa qualidade ofertados aos consumidores. O setor de alimentos é onde se encontram os casos mais emblemáticos: do café à carne, da soja à cachaça. Contudo, nenhum produto ilustra tão bem essa dinâmica quanto o suco de laranja.Ainda que o baixo custo da laranja estimule os brasileiros a fazerem em casa seu próprio suco, a praticidade da bebida em caixinha poderia ganhar mais adeptos não fosse seu preço. Levantamento da Associação Nacional dos Exportadores de Sucos Cítricos (CitrusBR) aponta que o valor médio da caixinha ultrapassa 6 reais. Mas, nas gôndolas das grandes cidades, facilmente se encontra um litro por cerca de 10 reais. Na França, por exemplo, um litro de suco integral pode sair por menos de 1 euro (algo em torno de 3 reais). A alta carga tributária, de 27,5% (apenas em ICMS, PIS e Cofins, sem contar os tributos cobrados ao longo do processo produtivo), e a margem de ganho dos varejistas (mark up, no jargão do setor), de 51%, transformam a bebida num verdadeiro artigo de luxo. Na França, esses dois porcentuais são de 5% e 25%, respectivamente.
Alternativa mais barata é o néctar, que contém um porcentual de 20% a 50% de suco concentrado, e o restante não passa de água, corantes, conservantes e açúcar. Não à toa, consumidores confundem o néctar com o suco verdadeiro. Para se ter uma ideia, o principal envasador de néctar no Brasil é a Coca-Cola, dona da marca Laranja Caseira, cujo preço nas gôndolas está em torno de 5 reais. Já na França, a Coca-Cola comercializa a marca Minute Maid, de sucos 100% naturais, provenientes de um dos três maiores fornecedores brasileiros do produto: a Cutrale. Aos franceses, a Coca não vende néctar, apenas suco. No Brasil, é dona ainda da Del Valle, a marca de néctar mais vendida do país. Procurada pela reportagem, a Coca-Cola não quis comentar por que não vende suco natural no Brasil. “A indústria engarrafadora produz o néctar porque essa bebida tem margem maior. O suco de laranja integral é um produto que precisa de matéria-prima nobre e cara. E, quanto maior o preço, menor o consumo. No Brasil, se o consumo já é baixo e o preço continua subindo, entra-se num círculo vicioso”, explica Ibiapaba de Oliveira Martins Netto, diretor-executivo da CitrusBR, que representa os maiores fornecedores brasileiros de suco concentrado — a commodity usada tanto para fazer o suco, quanto o néctar e o refresco.