NOTÍCIAS
DO CAMPO
compartilhar este link
A problemática fila da Anvisa

25/07/2016 12:44:28
Starbucks apoia cafeicultores

25/06/2015 11:52:08
Texas terá ajuda contra HLB

02/06/2015 12:57:45
Lista PIC

21/05/2015
Mercado espanhol segue incerto

16/03/2015 17:09:59
Licopeno contra o frio

18/02/2015 17:31:55
Greening causa perdas na China

19/01/2015 17:37:42
Produção estável no Sul

06/08/2014 12:15:39
Em busca de novas plantas

24/06/2014 11:19:54
Cancro em debate

07/05/2014 11:41:00
Todos contra o Cancro

17/04/2014 11:07:00
De olho no cancro

11/04/2014 12:11:00
De portas abertas

05/03/2014 16:27:00
Reforço Espanhol

25/02/2014 17:35:00
Uma vespa contra o greening

13/02/2014 12:22:00
Os prejuízos do frio

11/02/2014 13:29:00
Mais verba contra o greening

03/02/2014 11:12:00
Califórnia abaixo de zero

12/12/2013 16:14:00
Produção em queda

10/12/2013 15:43:00
Novas soluções

19/11/2013 14:33:00
Em busca de salvação

17/10/2013 13:31:00
Molécula pode salvar pomares

15/10/2013 11:06:00
Para falar de doenças

10/10/2013 12:51:00
O DNA do grenning

03/10/2013 15:07:00
Em busca de aliados

01/10/2013 12:11:00
De olho no inseto

24/09/2013 10:36:00
Capacitação contra doenças

12/09/2013 11:04:00
A safra de Steger

19/08/2013 19:09:00
Greening avança em SP

02/08/2013 15:24:00
Produção em queda

11/07/2013 15:46:00
Formulário contra o greening

10/06/2013 15:47:00
Laranjas em queda

11/04/2013 14:24:00
Doenças avançam

08/04/2013 12:23:00
Menos laranja na Flórida

12/12/2012 15:06:00
Um PIC contra as pragas

25/04/2012 14:34:00
Menos laranja na Flórida

12/04/2012 16:53:00
Greening cresce e atinge 14% das laranjeiras de SP

Folha de S. Paulo - 27/10/14 - Ao menos 21 milhões de pés apresentaram sintomas da doença neste ano. O número é superior ao total de plantas afetadas no ano passado


O Estado de São Paulo bateu o recorde do número de pés de laranja afetados pelo greening, considerada a pior doença da citricultura, que traz manchas amarelas nas árvores e "mata economicamente" a planta em três anos. Ao menos 21 milhões de pés, cerca de 14% do total de São Paulo, apresentaram sintomas da doença neste ano.

O número é superior ao total de plantas afetadas no ano passado, apesar de, agora, o total de pés ser quase 12% menor. Em 2013, dos 170,4 milhões de pés em produção, 10% apresentaram sintomas de greening. A cada ano, a incidência tem sido maior. Em 2008, ela aparecia em apenas 0,58% dos pés em produção.

Segundo o engenheiro agrônomo Walkmar Brasil Pinto, da Associtrus (Associação Brasileira de Citricultores), a planta demora de cinco a oito meses para manifestar os sintomas após ser infectada com a doença. Alguns produtores têm usado defensivos que conseguem prolongar a vida útil da árvore, mesmo sem curá-la. "O defensivo mascara os sintomas e atrasa o prejuízo, mas não cura a árvore e a doença continua se espalhando", disse.
Sem erradicar o pé, a laranja acaba sendo colhida e vai para o mercado. Especialistas em citricultura dizem que a doença atinge só a fruta, sem risco aos humanos. O problema de não erradicar um pé doente, no entanto, é que o produtor corre o risco de ver o greening se disseminar em seu pomar.

A legislação estadual prevê multa, caso a fiscalização constate que o produtor não eliminou a planta com a doença, que pode variar de R$ 2.014 a R$ 100.700.

A doença é responsável pela redução da safra de laranja na Flórida (EUA), que neste ano produziu 104,6 milhões de caixas, o menor volume em 29 anos.

Neste ano, apesar do número recorde de plantas com os sintomas, o número de pés erradicados deve ser menor que o do ano passado. Em 2013, foram mortos 7,2 milhões de pés por greening, enquanto no primeiro semestre deste ano foram 2,2 milhões.

A estiagem prolongada, que afetou a safra deste ano e trouxe prejuízo para os produtores por diminuir o tamanho da laranja, impediu que os prejuízos com o greening fossem maiores.

O Ministério da Agricultura determina que o produtor é responsável pela identificação e erradicação da planta caso apresente sintomas do greening, para assim evitar a disseminação da doença.

"Com o mercado ruim para a laranja, os produtores são resistentes em eliminar um pé que ainda é produtivo, mesmo tendo consciência de que estão contaminando a si próprios", disse Renato Bassanezi, do Fundecitrus.