NOTÍCIAS
compartilhar este link
Briga de Titãs

28/11/2016 15:17:21
Taeq lança Cajuína Orgânica

17/11/2016 15:22:32
Morre Toninho Pratinha

21/10/2016 16:50:20
O futuro da Hanjin à deriva

04/10/2016 14:24:25
Ameaça de embargo

22/08/2016 14:58:11
Cuidados no pomar

04/08/2016 13:03:39
Sufresh FLIP chega ao mercado

20/07/2015 12:58:49
O suco que bate um bolão

16/03/2015 18:03:36
Consumo em queda

04/03/2015 09:06:51
O supersuco da Purity Organic

02/12/2014 15:27:46
Zone 8 lança chás premium

28/11/2014 17:29:15
Alta interrompida

25/11/2014 18:50:14
Suco volta a subir na Bolsa

21/10/2014 19:19:55
Edeka veta transgênicos

15/09/2014 07:37:58
Uma salada para beber

12/09/2014 13:02:00
O novo suco da Mello

09/09/2014 12:51:19
Suco volta a cair

08/09/2014 12:50:22
Suco volta a fechar em baixa

02/09/2014 12:47:06
Demanda enfraquece cotações

28/08/2014 12:37:42
A nova onda da Campbell

28/08/2014 12:36:27
O super suco da Juxx

28/08/2014 12:34:27
Vita Coco quer reinar na China

25/08/2014 12:29:49
O suco das Arábia

20/08/2014 12:28:16
Safra farta no Marrocos

18/08/2014 12:27:09
A laranja gigante

14/08/2014 12:21:44
Suco volta a subir na Bolsa

14/08/2014 12:21:44
Produção estável no Sul

06/08/2014 12:15:39
Mercado em baixa

05/08/2014 12:15:39
Laranja menor, lucros maiores

30/07/2014 11:56:33
Tempestade na demanda

29/07/2014 11:56:33
Suco estável

28/07/2014 11:56:33
Sem tempestade no radar

24/07/2014 11:56:33
Medo do furacão

22/07/2014 11:56:33
Em busca de direções

17/07/2014 12:16:24
Suco recua em NY

10/07/2014 11:49:32
Clima de alta

03/07/2014 11:44:03
Tempestades vem, suco sobe

02/07/2014 11:44:03
Queda mantida

30/06/2014 11:42:27
Queda se mantém

26/06/2014 11:19:54
Em busca de novas plantas

24/06/2014 11:19:54
A ciência gordurosa

24/06/2014 11:19:54
A próxima revolução verde

23/06/2014 11:19:54
O novo Captain Citrus

18/06/2014 10:54:40
Laranja para curtir

28/05/2014 10:45:00
O futuro de um mercado mais concentrado de sucos

Exame.com 28/06/2016 - Compra de empresas como do bem e Ades têm movimentado o setor

O mercado de sucos e cervejas está mais concentrado no Brasil. Nos últimos meses, 
diversas empresas entraram no Brasil ou expandiram sua presença por meio de aquisições.

A consolidação é positiva para o mercado, segundo analistas ouvidos por EXAME.com, pois 
pode aumentar a força de distribuição das marcas adquiridas e incentivar um aumento no 
consumo de sucos, setor ainda pouco explorado por aqui.

A Ambev anunciou a compra das cervejarias Wälls, de Minas Gerais, e a paulista Colorado, 
além da fabricante de sucos do bem. Ela também pode comprar uma fábrica da Brasil Kirin.

A Coca-Cola adquiriu a Ades, da Unilever, por US$ 575 milhões e a inglesa Britvic incorporou 
a Ebba, da Maguary, para entrar no mercado brasileiro.

Mais forte e mais presente

O aumento da concentração no mercado de bebidas é, em grande parte, influenciado pela crise 
econômica no Brasil, afirma Paulo de Tarso Petroni, presidente da Associação Brasileira da 
Indústria da Cerveja (CervBrasil). A inflação e do endividamento da população crescentes "têm 
comprimido a renda para o consumo de produtos como cerveja", afirmou.

Segundo ele, apenas as grandes companhias têm mais força para passar por esses momentos. 
"Quando o mercado e o consumidor mudam, essas empresas têm agilidade e fôlego para atender 
o cliente", disse Petroni.

Para Petroni, o tamanho também é necessário para ter uma ampla rede de distribuição que alcance 
os 1,2 milhão de pontos de venda do país.

O mercado de cerveja no Brasil já é bastante concentrado. Apenas 4 empresas controlam 96% das vendas, que chegam a 14 bilhões de litros todos os anos, segundo a CervBrasil, que atende essas companhias. 

Como as microcervejarias e cervejarias artesanais não têm escala ou força de distribuição, elas se 
diferenciam pelo sabor. Agora, com a compra da Ambev, a Wälls e a Colorado ganham capacidade de distribuição.

Futuro doce

Já no setor de sucos, o cenário é outro, bem menos concentrado. "As empresas não têm tanta força de 
distribuição, que é indispensável nesse mercado", afirmou Adalberto Viviani, presidente da Concept, 
consultoria especializada em bebidas e alimentação. Como os sucos têm uma margem menor de lucro, 
precisam ter um grande volume de vendas para compensar. 

A força financeira também é um fator importante. "Você compra as frutas na safra, congela, prepara 
e só vai vender muito tempo depois. Isso requer um capital de giro elevado", disse o consultor. 
Por isso, a tendência é que as empresas se reúnam ao redor de grandes estruturas de distribuição.

Por trás das aquisições também estão estratégias para aumentar o portfólio de grandes companhias. 
Quando o grupo inglês Britvic comprou a Ebba, dona da Maguary, ele adquiriu seu ingresso de entrada 
no mercado brasileiro, disse Viviani.

Já a aquisição da Ades, que pertencia à Unilever, pela Coca Cola tem o objetivo de ampliar o portfólio 
da companhia em bebidas além do refrigerante.

A empresa de refrigerante está tentando ser mais "saudável". Ela lançou o Del Valle 100% Suco e a Coca-Cola Life, que substitui 50% dos açúcares da cana pelo adoçante natural estévia e, nos Estados Unidos, está investindo em leite enriquecido e em bebidas com aloe vera.

Essa movimentação do setor pode ser benéfica inclusive para as pequenas empresas de sucos, pois pode 
estimular o aumento no consumo da bebida.

O consumo per capita de sucos no Brasil ainda é pequeno – em 2014, foi de 3,3 litros por habitante por ano, segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Refrigerante e Bebidas não Alcoólicas, Abir.

Por isso, há espaço tanto para os grandes quanto os pequenos fabricantes. “A Ambev, com a do bem, não vai crescer em cima dos pequenos, mas sim de pessoas que ainda não consomem suco”, disse o consultor.

Segundo ele, há oportunidade de consolidação nos nichos, com preço médio mais elevado, que não depende tanto de uma grande estrutura de distribuição. Por isso, o futuro dos fabricantes de suco no brasil pode ser mais doce.